terça-feira, 7 de outubro de 2014

Aula de Física

Vídeo que retrata duas experiências realizadas na disciplina de Física onde o assunto principal é a Termodinâmica a atividade ocorreu sob a orientação da Professora Samando Gomes Frozza.










segunda-feira, 6 de outubro de 2014

RETRATO DA ESCOLA

Atualmente a Escola de Educação Básica Gonçalves Dias atende alunos de  Ensino Fundamental, Médio, Médio Inovador  e profissionalizante Magistério e Atendimento Especializado SAEDE.
Constituem clientela deste educandário, aproximadamente 1007 alunos oriundos da comunidade local e circunvizinha.
Quanto ao quadro docente, a escola possui um total de 63 professores com atribuição específica em sala de aula. Destes, 32 são professores efetivos e 31 professores Contratados em Caráter Temporário.
No que se refere à clientela escolar, a escola de Educação Básica “Gonçalves Dias” situada no Centro da Cidade de Fraiburgo, entre seus quase 1007 alunos, tem na sua maioria, estudantes oriundos do próprio município, complementada essa composição com um também significativo número de crianças e jovens provenientes de cidades próximas.
Essa composição humana de variadas procedências sugere também um componente sócio-cultural diferenciado a ser observado no conjunto das ações humanas e pedagógicas a serem realizadas pela Escola.
Em relação ao uso das tecnologias, foi realizado um trabalho em equipe no qual utilizou-se um  levantamento de dados. Foi adotado um plano para realizar essa atividade através da organização de roteiro que auxiliou na construção da mesma:   o registro das observações e utilização as tecnologias disponíveis.   Para pensar na identificação, na observação e no registro das praticas pedagógicas e sociais mediadas pelas TIDIC na escola, utilizou-se:  de fontes para levantamento de dados, o Projeto Político Pedagógico,  Plano de Gestão, SAGETEC  (sistema utilizado para registrar o uso das tecnologias na escola), como também vídeos e textos de referências bibliográficas. Utilizou-se também de recursos disponíveis como máquinas digitais, filmadora, computador, impressora, notebook.
Esse diagnóstico esta sendo utilizado para identificar  se professores e alunos estão vivendo essa educação na cultura digital na escola,  verificando   a utilização  dessas tecnologias,   as dificuldades ainda encontradas, os medos e receios e  como contra partida o progresso na instituição.
Pautando-se no Projeto Politico Pedagógico da escola, foi analisado referente as TIDICs,   que  o mesmo contempla a importância de oportunizar  ao aluno  o acesso ao maior número de informação  possíveis, através   de meios de comunicação  e tecnologia  moderna.

O projeto político pedagógico vai além de um simples agrupamento de planos de ensino e de atividades diversas. Não é algo que é construído é em seguida arquivado ou encaminhado as autoridades educacionais como prova do cumprimento de tarefas burocráticas. Ele é construído e vivenciado em todos os momentos, por todos  os envolvidos com o processos educativo da escola  (CASTRO; SILVA; SARDA 1999, p. 132).

O projeto político pedagógico deve conter explicito em sua construção: identificação, histórico da instituição, finalidade da modalidade de educação, objetivos, concepção de criança, encaminhamento metodológicos, as características da população a qual a escola atende, diagnósticos  utilizados na ficha de matrículas, seus principais projetos .
Tratando-se das TIDICs a escola busca utilizar  os diferenciados meios tecnológicos, como ferramenta  para auxiliar a construção do conhecimentos dos alunos.
Mediante a análise do Sagetec, constatou-se que as disciplinas que mais utilizam o laboratório de informática são Língua Inglesa, Linha Portuguesa, Filosofia, Biologia e Sociologia, as quais utilizam com a finalidade de pesquisa e contribuem para a elaboração de textos, tradução, interpretação, projetos e elaboração de recursos para apresentações de trabalhos. Em relação às demais tecnologias, no geral a grande maioria de professores utilizam projetor de multimídia, câmera digital e equipamento de áudio e vídeo.
   Se tratando do Plano de Gestão, referente às tecnologias, um dos objetivos do gestor é implementar e melhor estruturar  os laboratórios de informática, física,  química  e biologia. Bem como, ampliar o número de câmeras de vídeos para monitorar ações externas e internas da instituição por motivo de segurança, implementar os usos das TiCs como prática social,  além de instrumento facilitador e enriquecedor da aprendizagem. Como também, continuar a utilização das redes sociais como ferramenta de divulgação das atividades desenvolvidas na escola, projetos e atividades em geral.

Um dos fatores que impulsionaram a inserção das organizações nas Redes Sociais, consiste no fato delas oferecerem agilidade no processo de divulgação e integração com a sociedade. Vídeos postados, por exemplo, podem ser acessados de qualquer lugar do planeta, em que exista um computador com acesso à Internet. Destaca-se ainda que se o material divulgado pela organização pode manifestar interesse ou curiosidade em seu trabalho, ele poderá ser indicado para outras pessoas, contribuindo de forma positiva para a ampliação e fortalecimento da interação, estimulo e interesse para desenvolver a aprendizagem (OLIVEIRA; LOURENÇO; DINIZ, 2014, p.6).

  Em relação à coleta de dados, foi realizado questionários como ferramenta de amostragem com alunos e professores de diferentes turmas onde aleatoriamente foram selecionados  28 questionários de alunos e   24 questionários de docentes.
 Analisando os questionários contatou-se que 25 dos alunos entrevistados possuem computadores em casa, 27 acessam a internet e que a maioria fica conectado mais de três horas por dia.    Quanto ao uso, 27 afirmam que utilizam  a internet para estudar e fazer trabalhos, 25 utilizam para redes sociais, 22 para acessar sites de vídeos e streaming on-line, 10 para acessar notícias e leitura, 10 para comunicar-se via e-mail, 15 utilizam internet para aplicativos de celular (WhatsApp), 13  para jogos online e 7 para a conectar-se-á  microblogging twitter. Dos 28 entrevistados todos possuem celulares com acesso a internet.
Quando interrogados a respeito da frequência com que utilizam a sala de informática da escola, a maioria respondeu que utiliza de maneira regular, devido somente ter um laboratório com 20 máquinas para atender toda a demanda. Nesse sentido, compreende-se que muitas vezes os professores não utilizam a sala de informática devido à indisponibilidade de horário livre.
Em relação às aulas ministradas pelos professores, a maioria dos alunos afirmou que utiliza o ambiente para pesquisa, bem como, digitação de texto seguido de construção de slides, jogos educativos, construção de tabelas e gráficos e edição de vídeos.
 Quando questionados sobre as ferramentas tecnológicas que os professores utilizam em aula constatou-se que as mais utilizadas são: Projetor Multimídia, notebook, laboratório de informática e DVD. Na opinião dos alunos, o professor poderia melhor utilizar as tecnologias para contribuir com sua aprendizagem atualizando-se constantemente, frequentando mais a sala informatizada, utilizando mais as tecnologias em sala de aula e dessa forma tornar a aula mais interessante.  Os alunos enfocam também a importância da utilização de recursos diferenciados como exibir vídeos sobre o conteúdo, disponibilizar provas on-line, mudar as estratégias para elaboração de trabalhos (evitar copia e cola), bem como, reconhecem que muitos professores na escola já usam a tecnologia e os que não usam muitas vezes é pela falta de colaboração dos próprios educandos.

O professor é um profissional-educador. Como tal, precisa ter conhecimentos, preparo e técnicas apropriadas. Deve possuir uma ética própria, um procedimento adequado à sua profissão. Como um dos elementos essenciais ao preparo do profissional-educador, pode-se apontar a vocação, significado, neste sentido, a propensão interna para a profissão, vontade de segui-la, possibilidades e recursos para exercê-la (SCHREIBER, 2001, p. 21).
Para poder garantir uma educação de qualidade para nosso alunos é necessário assegurar ao educador em exercício, programas de formação continuada, dando maior apoio e atenção aos docentes que atuam na educação, disponibilizando diferentes métodos de ensino estratégias didáticas diferenciadas que promovam a inclusão e valorização de cada habilidade individual dos alunos.
Quando indagados sobre o que é cultura digital, observa-se que nossos alunos não possuem um conceito formado, mas acreditam que se trate do uso de tecnologias no dia-a-dia, da inclusão digital na vida das pessoas e da utilização de forma educativa para contribuir com o aprendizado.
Analisando os questionários aplicados aos docentes, constatou-se que entendem por cultura digital: a utilização de mídias disponíveis para conhecimento próprio e coletivo na interação com o mundo. Afirmam ser uma ferramenta essencial para um conhecimento mais aguçado e dinâmico no âmbito escolar e social, como também uma mudança positiva no cotidiano onde a escola deve vir de encontro as novas tecnologias, enfim uma nova cultura a qual a sociedade deve se inserir para acompanhar a transformação tecnológica atual.
 Quando indagados sobre o seu conhecimento na utilização dos recursos tecnológicos, a maioria dos entrevistados considera seu conhecimento regular. Ao questionar sobre a utilização da internet no ambiente extraescolar, constatou-se que 18 acessam redes sociais, 17 elaboram atividades, 15 procuram estratégias didáticas diferenciadas, 17 utilizam para lazer, 13 para planejar aulas e 12 para elaboração de avaliações.
 Quanto à utilização dos recursos tecnológicos em sala de aula, no geral consideram que utilizam às vezes, com atividades do tipo pesquisa na rede, vídeos e slides, outros ainda usam para elaboração de tabelas, jogos educativos, construção de Blogs, programas de edição e aplicativos matemáticos.
Dos 24 entrevistados, 22 tem conhecimento dos recursos tecnológicos que a escola disponibiliza, como por exemplo: internet, tablet, TV, DVD, Vídeo, caixas amplificadas, lousa digital, projetor multimídia, máquinas fotográficas, filmadora e notebooks, 15 afirmam que receberam capacitação tecnológica para utilizar os equipamentos tecnológicos, como cursos na plataforma e-proinfo, uso do Linux, da lousa digital e da internet, mas também afirmam que não são suficientes, pois não  estão de acordo com os interesses específicos.
 A maioria dos professores entrevistados, afirmam que as novas tecnologias contribuem de forma significativa para a aprendizagem dos alunos, desde que seja bem orientada a forma de utilização das mesmas. Enfatiza que dão significado a teoria ensinada auxiliando o desenvolvimento dos alunos, mas em contrapartida, destaca-se que utiliza-las também atrapalha o bom andamento da aula, uma vez que os alunos não tem maturidade para usá-las.
Quanto à utilização da sala de informática, a maioria afirma que usa mensalmente devido a indisponibilidade de horários, pois a escola possui apenas um laboratório de informática.
Afirmam que os recursos tecnológicos disponíveis na escola são razoáveis e sugerem: Instalação de Lousas Digitais em todas as salas de aula, bons computadores, internet de maior velocidade para os alunos, ampliação do laboratório de informática e capacitação para os alunos. A maioria sugere projetores multimídias instalados de maneira fixa nas salas de aulas.
Porém, para a atual situação de estrutura física que se encontra a escola, é suficiente, pois não adianta sugerir mais salas tecnológicas, o que seria ótimo para o número de alunos que atendemos, se a estrutura física e as instalações elétricas não comportam a demanda. Mesmo diante desse aspecto, na análise de um docente, em relação à realidade de outras escolas estamos a frente. 
Enfim, esse estudo é destinado a intervenção de ações que serão desenvolvidas com a comunidade escolar e grupo docente da escola, onde  tem por objetivo uma amostragem de como utilizarmos os recursos tecnológicos na escola em benefício a  aprendizagem, analisando assim diferentes meios pelos quais podemos mudar e aprimorar esse trabalho de forma contínua.
  Como relatamos que existem ainda professores e alunos que não conhecem todos os recursos tecnológicos disponíveis na nossa escola, será realizado um  encontro com  todo a comunidade escolar, com o intuito de divulgar o nosso trabalho,  apresentando o retrato da escola  perante a Educação na Cultura Digital  utilizando  diferentes multimídias as quais serão disponibilizada no facebook da escola EEB Gonçalves Dias, Link: <https://www.facebook.com/eebgoncalves.dias.3?fref=ts> e diferentes ferramentas da Web como Youtube,  blog da escola http://goncalvesdiasfbgo.blogspot.com.br/.
As tecnologias estão sendo utilizadas em todos os segmentos da sociedade e cada vez mais presente na escola,  ainda encontra-se alguns dilemas quanto a preparação dos professores ao utilizarem essas tecnologias, como computadores, internet, projetor- Datashow, enquanto muitos ainda tem dificuldades ao utilizar como estratégias didáticas em suas aulas, o vídeo, música e retroprojetor.           
            Essa agilidade com que evoluem essas ferramentas metodológicas causa um panorama fantástico e assustador. Fantástico na perspectiva evolutiva para as áreas de muitos profissionais, pela facilidade e agilidade em se realizar as funções. E assustadora para as áreas onde a agilidade evolutiva não acompanha a assimilação das novidades.
No cenário educacional, onde existe uma grande caminhada evolutiva e construtiva, a agilidade pode causar para muitos profissionais, mais preocupações por não saberem utilizar esses novos métodos e ferramentas educacionais, pois as mesmas exigem planejamentos bem fundamentados, com metas e objetivos, além da postura de educador e a integralização da tecnologia com as práticas pedagógicas, pois os alunos ficam eufóricos com a possibilidade de utilizar essas inovações, as quais devem ser prazerosas em benefício à aprendizagem.



REFERÊNCIAS

CASTRO, Ana Elba Amarante; SILVA, Lenita da; SARDÁ, Zélia Almira. Gestão escolar: programa de qualificação de ensino. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância, 1999, 245 p.

OLIVEIRA, Simony Rodrigues; LOURENÇO, Joaquim Carlos; DINIZ, Polyana Weidy Bezerra. Inserção nas redes sociais como estratégia de divulgação. Observatorio de la Economía Latinoamericana, Número 201, 2014. Disponível em: <http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/14/otica-diniz.hmtl>. Acesso em:24 set. 2009.

SCHREIBER, Ana Cristina. Coleção as melhores cantigas infantis. Ciranda cultural, 2001. 

APRENDER EM REDE

Cada ser tem sua maneira de aprender e a busca de informações na rede é diferente do que aprender através da investigação e da reflexão. Portanto, aprender em rede é uma realidade presente e inegável que possibilita criar, registrar, escrever e refazer. Enfim, surge o desafio de conciliar o aprendizado e as atividades em rede por meio de diferentes tecnologias. Esse universo digital não está mudando o modo de pensar os conteúdos, mas modificando o modo de produzir, apresentar e comunicar tal conteúdo.
Nesse novo modo de fazer educação, aprender em rede cria certa autonomia na apropriação do saber, pois a busca de informações na rede deve ser filtrada pelo conhecimento prévio, de uma vez que os dados recebidos são muitos, ainda mais com a mobilidade de informações atualmente. O professor então deve aparecer como mediador do processo, instruindo e orientando, promovendo ao máximo a intercomunicação entre aqueles que aprendem, criando condições para que a educação aconteça através da tecnologia, observando e motivando o trabalho em grupo.

Sem dúvida, a educação sofre um avanço significativo para o contato com a tecnologia e o mundo digital, o aprendizado em rede, está cada vez mais próximo da sala de aula, e como percebemos na prática isso contribui em muito para o avanço do aprendizado. “A tecnologia amplia a capacidade de conhecimento e as experiências do homem e isso, quando colocado em evidência, revoluciona a aprendizagem.”

INVESTIGANDO, REFLETINDO E APRENDENDO


        Buscar informações na rede é relativamente fácil, os sites de busca como o mais famoso Google, nos dá acesso a centenas de informações através de um click. Porém, este fato se resume apenas ao ato de fazer pesquisa, simplesmente buscar dados na rede. O que muitas vezes deixa a desejar é a articulação entre essas informações encontradas na rede e sua aplicabilidade no cotidiano na busca por resolver situações problema. Todas essas informações disponibilizadas e acessadas devem fazer parte do conhecimento do educando, fundamentando-se na aplicação das mesmas para o desenvolvimento de projetos e a produção a novos questionamentos, de maneira que o aluno passe a transformar a sua realidade a partir do “pesquisado”. O professor então, orienta a investigação e articula os trabalhos estimulando a produção de novos saberes, novos fazeres, enfim o professor torna-se mediador do processo.

         Nesse sentido, de mediar o conhecimento através do uso das TDICs, o professor pode relacionar o web currículo, que ainda oculto em nosso dia a dia na prática pedagógica, se faz presente nas ações desenvolvidas no cotidiano escolar; pois o mesmo, representa a integração curricular abrangendo a tecnologia e toda sua multiplicidade de linguagens. Temos uma trajetória que abrange o uso de tecnologias como uma ferramenta e felizmente dentro do Plano de Ação deste curso, pretende-se então a criação de uma cultura digital dentro da escola. É preciso trabalhar a realidade tecnológica atual e o que ainda virá pela frente, procurando explorar os benefícios dessa tendência de mídias e tecnologias no uso pedagógico, o que possibilita a expansão dos processos de ensino aprendizagem.  Web currículo não trata apenas da informatização do ensino, representa a integração curricular onde o espaço da escola não é mais o único lugar de produção de conhecimento, este aspecto se torna relevante ao passo que a partir dos recursos disponíveis é possível planejar com possibilidades de ações viáveis, analisando-as e transformando-as, buscando avançar aos poucos na medida em que ocorre a apropriação pedagógica das TDICs, permitindo assim, sua relação com a aplicação nas situações de resolução de problemas.
            Retomando a atividade 3 do PLAC – Construção do Retrato da Escola na Cultura Digital, com base na análise dos dados levantados durante o processo de construção do retrato, fica perceptível que as TDICs estão sendo utilizadas em nossa escola para a busca de informações (pesquisa), mas não somente para este aspecto. Em relação às aulas ministradas pelos professores, a maioria dos alunos afirmou que utiliza o ambiente para pesquisa, bem como, digitação de texto seguido de construção de slides, jogos educativos, construção de tabelas e gráficos e edição de vídeos. A maioria dos professores entrevistados, afirmam que as novas tecnologias contribuem de forma significativa para a aprendizagem dos alunos, desde que seja bem orientada a forma de utilização das mesmas. Enfatiza que dão significado a teoria ensinada auxiliando o desenvolvimento dos alunos. Faz-se o uso das novas tecnologias como aliada no processo de ensino aprendizagem, de maneira a enriquecer tal processo, produzindo novas informações, criando atividades, desenvolvendo projetos, bem como, utilizando esses recursos para solucionar problemas. Afirmam ser uma ferramenta essencial para um conhecimento mais aguçado e dinâmico no âmbito escolar e social, como também uma mudança positiva no cotidiano onde a escola deve vir de encontro as novas tecnologias, enfim uma nova cultura a qual a sociedade deve se inserir para acompanhar a transformação tecnológica atual.
     Quanto às atividades que utilizam meios tecnológicos, as quais foram mencionadas na construção do Retrato da Escola, como utilização do laboratório de informática, projetor multimídia e equipamentos de áudio e vídeo, acreditam-se que a sala de informática pode ser usada para além da pesquisa, dentro das diversas disciplinas; o professor pode criar situações para que o aluno produza e desenvolva seu conhecimento a partir dessa própria produção, como por exemplo, a criação de stop motion que de forma interdisciplinar contribui para que o educando interprete situações cotidianas com o uso de diversas ferramentas que vão além do espaço da sala de aula, utilizando equipamentos de áudio e vídeo, promove criatividade, organização, técnica, percepção e domínios artísticos, além da interação e cooperação dos alunos. Na educação, a filmagem é uma estratégia diferenciada, que envolve as tecnologias, as quais fazem parte do cotidiano dos alunos, é importante ressaltar que esta técnica engloba várias ferramentas tecnológicas, seguindo basicamente a seguinte ordem: roteiro, criação e produção de personagens, elaboração de falas, produção de cenário, captura de registros fotográficos, edição em computador (sonorização, efeitos visuais, movimentos) e apresentação em projetor multimídia. Além disso, podem ser publicados na web como forma de socialização da produção. Acredita-se, que a incorporação das tecnologias no processo educativo, cria uma oportunidade para a estruturação e implantação de novos cenários pedagógicos, pois o nível de interatividade dos alunos com essas ferramentas tem potencial para produzir novas e relevantes situações de aprendizagem.
       Enfim, somente acessar uma informação é totalmente diferente do que dar significado a essa informação, devemos trabalhar esses dados de forma a interagir no cotidiano do aluno, até mesmo na resolução de problemas, fazer o uso das TDICS para promover aprendizagem  integrando currículo e tecnologia com inúmeras interferências e múltiplas transformações, de maneira a modificar as práticas pedagógicas, promovendo uma inovação educativa.


terça-feira, 30 de setembro de 2014

CULTURA DIGITAL UMA ANÁLISE DA ATUAL REALIDADE.

1 - Como a infância e a juventude contemporâneas se comportam na cultura digital
      
        A rapidez com que esta se desenvolvendo as tecnologias promove o desenvolvimento de uma nova cultura desenvolvendo novas maneiras de formar e informar a sociedade. Atualmente, o computador já não é mais uma máquina, é um aliado da informação capaz de transformar o que entendemos por aprender e ensinar. A juventude se insere nesse meio com muita facilidade, essa geração não mudou apenas em termos de avanço em relação ao passado, essa mudança vai além, pois fazem parte da difusão da tecnologia digital. 
              Os interesses dos jovens hoje diante das novas tecnologias se mostram na criação de sites, na comunicação através de e mails, chats, ICQ, Skype, jogos e brincadeiras em rede com amigos virtuais localizados em partes diferentes do mundo, baixam músicas e clips. 
             Percebe-se a utilização das tecnologias muito mais para entretenimento do que para fins acadêmicos. Fazem o uso também de celulares de ultima geração que com acesso a Internet permitem acessar uma infinidade de aplicativos, além de tirar fotos e filmar. Fica perceptível a utilização da capacidade máxima de seus computadores e celulares para interação e criação. 
           Quanto a infância, é uma geração que nasce respirando tecnologia e de certa maneira se faz autora do mundo digital, como as próprias crianças, os programas disponíveis são velozes e interativos, além disso, possuem fácil acesso. 
                A base da nova geração é a interatividade, pois ela busca ser usuária e não apenas espectadora ou ouvinte, o essencial não é saber como funciona, mas como fazer funcionar. Na rede as atividades disponíveis são inúmeras, as crianças utilizam a mídia digital para seu entretenimento, para aprender e comunicar-se.



2 - Papel da escola na cultura digital e a relação entre as TDIC e tal cultura

       Em se tratando do papel da escola na cultura digital, é importante ressaltar que muitos educadores entendem esse processo como suporte para ilustrar um conteúdo e acreditam que mesmo os alunos tendo uma familiaridade maior com as tecnologias, eles não são capazes de transformar informação em conhecimento. E, neste sentido, os educadores têm pela frente o papel de mediador.
       A escola tem o papel de incentivar os professores a explorar atividades com o uso das TDICS (Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação) que envolvam os alunos como parceiros na construção ativa de conhecimento e aprendizagem, promovendo assim uma cultura digital dentro da escola, pois no mundo globalizado e informatizado no qual estamos inseridos, as relações com o conhecimento adquirem novas dimensões, em que a escola deve propiciar descobertas para novas atitudes pedagógicas, promovendo os requisitos necessários para viver em uma sociedade em transformação.
     As TDICs podem operar como ferramenta de aprendizagem, proporcionando várias formas de interação e de participação dos alunos como seres ativos, construtores do conhecimento de forma interativa, prazerosa e lúdica. Sem dúvida, essa tarefa não é fácil. Distanciar-se de modelos de educação expositivos pode ser extremamente difícil, mas há necessidade de ser criativo e inovador, proporcionando a aprendizagem dos alunos, buscar envolver-se em ambientes mediados digitalmente junto com eles, desenvolvendo assim a cultura digital dentro da escola. 



quinta-feira, 4 de setembro de 2014

EXPECTATIVAS EM RELAÇÃO AO CURSO


A expectativa em relação ao curso “Educação na Cultura Digital” é grande, de uma vez que a tecnologia dentro das escolas possibilita a integração entre alunos e professores, de maneira que o ensino aprendizagem torna-se dinâmico e facilitador do processo de inovação tecnológica do conhecimento. Pois com certeza, o uso das tecnologias devem mudar a forma de ensinar e aprender e não somente ser usado dentro da escola como uma ferramenta, requer planejamento e comprometimento por parte do educador para que desperte o interesse e a vontade de aprender do educando .

Espera-se desmistificar o uso das tecnologias em sala de aula, dar um passo além da utilização atual, preocupando-se não somente com a informação e o conhecimento, mas evidenciando o lado humano e as relações sociais da nossa clientela, é preciso se lançar nesse novo mundo para ensinar as competências que ele requer, se apropriar da linguagem das novas mídias e seu significado nas salas de aula.